Síntese Yoga Integral

Os ensinamentos de Sri Aurobindo têm fundamentação nos antigos tratados deixados por sábios da Índia antiga, e segue muito mais além, numa nova e inexplorada abordagem evolutiva da humanidade. Todos os seres estão unidos, mas divididos por uma certa separatividade de consciência. É possível, através desta disciplina remover este véu de consciência separativa e tornar-se consciente do verdadeiro Eu e da Divindade dentro de nós e de todos. O grande diferencial que observamos neste yoga é que o foco principal não está em si mesmo como superação transcendentemente individual, mas na transcendência do todo, de toda a humanidade através do Si Mesmo desenvolvido. Trata-se de preparar o Ser-humano para permitir que uma nova consciência desperte impulsionando toda a humanidade para um salto evolutivo.

 

Os ensinamentos de Sri Aurobindo afirmam que este Ser Único e Consciente está envolvido aqui em Matéria, e não separado dela. A evolução é o método pelo qual ele se liberta e então se expande. A consciência surge no ser inconsciente, e uma vez tendo surgido é auto impelido a crescer cada vez mais alto, ampliando e desenvolvendo cada vez mais uma maior perfeição. A vida é o primeiro passo desta libertação da consciência; estar vivo nos permite experimentar a realização. A mente é o segundo passo; mas a evolução não termina com a mente, ele (o espírito) aguarda uma libertação em algo maior, uma consciência ampliada que é supramental estando além da mente ordinária. O próximo passo da evolução deve ser no sentido do desenvolvimento da Supermente e do Espírito como a potência dominante e evolutiva do ser consciente. 

Sri Aurobindo nos ensina que a descida do Princípio Maior é possível e necessária após a subida (samadhi) e que esta descida não se limitará a libertar o Eu espiritual fora do mundo, mas libertá-lo no próprio mundo, substituindo a ignorância da mente ou do seu conhecimento limitado por uma Consciência-Verdade supramental que será um instrumento do Eu interior para tornar possível sua evolução iluminativa. A disciplina do Yoga deve ser usada para esse fim, abrindo todas as partes inferiores do ser para uma conversão de transformação através da descida e portanto da iluminação do princípio supramental ainda escondido.

Isso, no entanto, não pode ser feito de uma só vez ou em um curto período de tempo ou por qualquer transformação rápida ou milagrosa. Muitos passos têm de ser tomados pelo candidato antes que a descida do supramental seja possível. O homem vive na maior parte em sua mente superficial, vida e corpo, completamente imerso em achismos ou identificações, mas existe um ser interior dentro dele com maiores possibilidades além de seu conhecimento ordinário.

Há muitas coisas que pertencem a sistemas mais antigos que serão necessários no caminho deste yoga como um suporte. É importante o resgate dos Yogas-chaves como o Bhakti, Jnana, Karma e Raja, mas principalmente na abertura para o novo, se libertando de dogmas ou sectarismos que impedem a natureza do Ser de se expandir. Para tanto, será necessária uma abertura mental na abrangência do sentido do Eu e do Infinito, uma emergência para o entendimento do que tem sido chamado de consciência cósmica, no domínio vigiado sobre os desejos e paixões, num ascetismo interior e exterior, na conquista do desejo e apego e no controle sobre o corpo, seus instintos e suas necessidades. 

Existe uma combinação dos princípios dos antigos sistemas e do caminho do conhecimento evolutivo através do discernimento da mente entre a realidade e a aparência, a devoção, o amor e a entrega. Para tanto, o ser tem que ser treinado para que ele possa responder e ser transformado na possibilidade de uma Luz Maior.

Nesta disciplina, a inspiração do Mestre é indispensável - pois seria impossível em uma única vida passar por isso sem muito tropeço e erro, o que impediria toda chance de sucesso. O Mestre é aquele que subiu para uma consciência mais elevada. Ele  é frequentemente considerado como representante da manifestação. Ele não só ajuda com o seu ensino, mas com sua influência e exemplo, e por um poder de comunicar a sua experiência realizada para os demais.

Este método de ensino e de prática do yoga de Sri Aurobindo não tem como objetivo desenvolver qualquer religião ou amalgamar as religiões mais antigas ou para fundar qualquer nova religião - para qualquer uma dessas coisas levaria para longe de seu objetivo central. O único objetivo do seu Yoga é um auto-desenvolvimento interior e exterior, através da qual cada um segue em seu tempo a descoberta do Self evoluindo através de uma consciência mais elevada do que a mental, a consciência espiritual e supramental que irá transformar e divinizar a natureza humana, que vai divinizar a matéria através do próprio homem.

 

Sri Aurobindo definiu o Yoga Integral no início de 1900 como “um caminho de integração com o Supremo, através do entendimento de que o objetivo é finalmente libertar-se da ignorância e descobrir uma realidade além da mente, uma realidade não só em seu estado espiritual, mas também através da auto-expressão dinâmica do próprio universo”. Esta integração, no entanto, ocorre em três níveis diferentes na visão de Sri Aurobindo: uma integração mental, uma integração existencial e uma integração cósmica.

Não há dúvidas de que para o trabalho do Yoga Integral ser realizado seja necessário purificar a mente, o corpo energético e o corpo físico, porém deve-se ir mais além, criando mecanismos concretos de transformação não apenas individual, mas também social e global. Isto nos faz  exercitarmos a mente na manutenção de um estado de consciência onde a paz, a calma e a harmonia prevalecem, num coração livre de paixões e emoções violentas que andam destruindo a harmonia necessária para a manifestação do ser, num corpo saudável, forte, ágil e flexível disposto a suportar a alta tensão das energias mais elevadas quando as recebemos.

 

No Yoga Integral o praticante é convidado a levar tudo o que aprendeu na aula para seu dia a dia, pois a sua própria vida deve tornar-se uma prática de Yoga contínua conforme a célebre frase de Aurobindo: A vida toda é um Yoga. 

 

Por fim, precisamos deixar claro que não pretendemos inventar um yoga diferente dos inúmeros yogas existentes atualmente em nossa sociedade. Nossa proposta é integrar e resgatar um yoga completo e não fragmentado. 

 

 

"Enquanto buscarmos as diferenças entre os diversos métodos, estilos ou técnicas de Yoga não haverá progresso. Mas quando percebermos as semelhanças, teremos iniciado então a nossa verdadeira caminhada".

Fonte: SBYI

Sri Aurobindo

“O mundo é uma Unidade diferenciada, um multifacetado Ser-Um, não um compromisso entre dissonâncias eternas, não uma perpétua luta entre opostos inconciliáveis.”

A Mãe

“Aquilo que não pode ser adquirido ou conquistado durante a vida certamente não poderá ser feito após a morte. É a vida física o verdadeiro campo de progresso e realização.”

Sri Aurobindo

“Toda e cada parte da vida humana tem de ser assumida pelo espiritual - não somente o intelectual, o estético, o ético, mas o dinâmico, o vital, o físico.”